domingo, 24 de fevereiro de 2013

#20. TEX WILLER



  Tex Willer, ou somente Tex, que também já foi chamado de Texas Kid quando foi publicado em 1951 na Revista Junior número 28, é uma personagem de história em quadrinhos, criado em 1948 e originalmente publicado na Itália. Tex é uma das personagens de faroeste mais extensas da história dos comics, sendo publicado em diversos países do mundo.
          Foi no dia 30 de setembro de 1948 que surgiu a primeira história de Tex. Chamava-se "Il Totem Misterioso" em italiano, "O Totem Misterioso". Com o balão "Por todos os diabos, será que ainda estão nas minhas costas?", começava a saga de um dos mais famosos cowboys dos quadrinhos. De 1948 a 1967 foram 36 histórias no formato de tiras semanais. No começo, Tex cavalgava sozinho, seu cavalo Dinamite nem tinha nome e ele era um fora-da-lei.


          Tex foi criado pela dupla Giovanni Luigi Bonelli e Aurelio Gallepini. No começo, as histórias eram publicadas no formato de tiras com no máximo 3 quadrinhos. Cada semana saía um gibi com 32 páginas (32 tiras) e uma aventura levava várias semanas para chegar ao fim, levando os leitores a comprar as próximas edições. Essa estratégia culminou num sucesso incrível na Itália. Inicialmente apenas mais um personagem entre tantos outros que apareciam naquela época, o ranger fez tanto sucesso que se decidiu pela publicação de uma revista. As tiras foram todas compiladas, sendo que em cada página da revista havia no máximo 3 tiras, como hoje.


          Apesar de o público em geral poder considerar as histórias pouco apelativas devido ao fato do seu grafismo a preto e branco, os admiradores das aventuras de Tex salientam a riqueza de informações, referências e verosimilhança histórica.


           Além de muita ação em todas histórias, com chumbo grosso voando por todos lados, o que torna a leitura interessante é o conhecimento que as histórias trazem. Você fica por dentro da cultura dos índios, da vida dos pioneiros, de episódios marcantes e reais na história dos Estados Unidos, dos hábitos da época… Detalhes mínimos foram pesquisados antes de tornarem-se texto e desenhos, para que o leitor tivesse a noção exata do ambiente em que se passavam as aventuras. Tex pretendia aliar cultura e diversão e isso pode justificar o seu sucesso em muitos países do mundo.


NOS QUADRINHOS
          Outro fator decisivo para o sucesso é o bom humor presente nas histórias. A comédia acontece principalmente quando Kit Carson, o parceiro de Tex, começa com sua onda de pessimismo e reclamações. Mas não há dúvida que o principal motivo que faz de Tex um sucesso é a ação constante das aventuras e o senso de justiça. Tex é um atirador preciso tanto com um rifle como com uma pistola e não nega ajuda a quem quer que seja para combater injustiças. Também é um ótimo cavaleiro e sabe usar muito bem a faca e o laço. Além disso, Tex bate forte. Quem já experimentou enfrentá-lo no braço teve a chance de trombar seu queixo contra os nós do punho do ranger.


            As histórias de Tex jovem se passam por volta de 1860, nesse período vemos Tex no rodeio e nas ações durante a Guerra Civil Americana, que durou entre 1861 e 1865. Já Tex quarentão e com o filho Kit Willer, bem como com Kit Carson de cabelos brancos, remonta ao período de 1880 a 1890.


               Tex é um Ranger do Texas, uma espécie de polícia especial dos Estados Unidos. Enquanto os xerifes são a autoridade maior numa cidade, Tex é o representante da lei em qualquer lugar do Estado por onde passa. Além disso é o chefe dos navajos, bem como seu agente indígena para tratar com o governo os destinos da tribo.


                Por sua bravura e perícia, Tex é requisitado pelo comando dos rangers a atuar em missões delicadas e especiais, mesmo em outros Estados e mesmo fora dos limites territoriais dos EUA. Muitas vezes Tex perseguiu bandidos no México, nas frias terras do Canadá ou em casos extremos na Colômbia, na Argentina/Bolívia e até mesmo na Oceania.


          Tex normalmente recebe carta branca para agir e fazer cumprir a lei, sendo-lhe confiadas missões variadas como o contrabando de armas, os assaltos a trens ou bancos, o roubo de manadas inteiras, xerifes abusando de sua pataca para explorar o povo, são apenas casos mais comuns, dentre tantos que Tex tem que enfrentar. Para isso, ele conta com a ajuda de seus parceiros: Kit Carson, Kit Willer e o índio navajoJack Tigre.


              A edição histórica número 47 da Editora Mythos contou como foi o passado de Tex, como ele tornou-se um justiceiro. Vaqueiro num rancho no Texas, na fronteira com o México, Tex vivia com seu pai Ken Willer, com seu irmão Sam e com um velho amigo da família, Gunny Bill, que foi quem ensinou Tex no manejo com as armas. Quando bandidos mexicanos roubaram uma partida de gado da família e mataram o pai de Tex, este revoltara-se e, mesmo contrariando seu irmão, atravessa a fronteira atrás dos larápios, fazendo justiça com as próprias mãos. Perseguido pelos rurales, policiais mexicanos de fronteira, consegue escapar, mas desgosta-se a partir de então da vida de vaqueiro, abandonando o rancho para o irmão e saindo sem rumo. Arranja emprego no Circo dos Irmãos Corlis e ali passa a fazer parte dos rodeios, onde revela-se um autêntico Ás, ganhando vários prêmios, inclusive seu cavalo Dinamite, que o acompanharia por praticamente todas as aventuras dos primeiros tempos. Passado algum tempo, chega a notícia de que seu irmão Sam havia sido assassinado. Decidido a obter a vingança pela morte do irmão, Tex vai ao encalço dos assassinos e, outra vez, faz justiça pelas próprias mãos, passando a ser então perseguido pela lei - tal como o conhecemos em setembro de 1948, um fora-da-lei perseguido e com o nome estampado em cartazes de recompensa.

                
               Entre os personagens da história podemos destacar: Kit Carson ou Cabelos de Prata, Jack Tigre, Kit Willer ou Pequeno Falcão; Kit é filho de Tex que também é conhecido como Águia da Noite, e Lilyth, conhecida como Lírio Branco. Estes que são conhecidos como os Pards.


          Há também os demais amigos: Ely Parker, Montales, Pat Mac Ryan, Jim Brandon, Nat Mac Kenneth, Gros-Jean, Cochise, Barba Negra, Mac Parland, Sam Brennan, Tom Devlin, O Bruxo Mouro ou El Morisco, Eusébio, Mike Tracy, Nahanta, Jesse Hawkhs e Juan Raza. Há ainda os inimigos: Mefisto, Yama, O Mestre, Zhenda, Tigre Negro, El Muerto, Jane, Black Baron, Proteus, Rakos ou Sokar, Tom Rebo, Cris Trenton, Fraser e Mickey Finn.

SÉRIES ESPECIAIS
          Tex e outros fumettis, como são conhecidos as HQ’s na Itália, da Bonelli são publicados no Brasil no formato popular conhecido como formatinho, impressos no papel-jornal, o formato original (16 x 21 cm) é usado apenas nas edições especiais.


·           Tex, iniciou em 1971 pela Editora Vecchi e continua sendo publicado até os dias atuais, tendo passado pelas editoras RGEGlobo e atualmente Editora Mythos.
·           Tex Segunda Edição, republicação, série fechada que foi de 1 a 149.
·           Tex Coleção, série que republica as aventuras de Tex na ordem em que surgiram na Itália. São aventuras em continuação.
·           Tex Edição Histórica, série que republica em histórias completas e com mais páginas as aventuras de Tex Coleção.
·           Tex Ouro, série que republica as aventuras de Tex da fase áurea, só com histórias completas.
·           Tex Gigante, série que republica, em tamanho gigante, aventuras que saíram na Itála na série Gigante, geralmente com desenhistas convidados e fora do staff regular de Tex.
·           Almanaque Tex, série que publica as aventuras inéditas de Tex deixadas para trás pelas editoras Vecchi, Rio Gráfica e Globo, intercalando alguma republicação ou aventuras especiais recentes.
·           Tex Edição de Férias, série que republica as aventuras mais pedidas pelos leitores, sempre com histórias completas
·           Tex Minisséries, série que publica em dois números aventuras especiais e inéditas com mais de 300 páginas. Nas três minisséries publicadas até hoje, tivemos "O Retorno de Mefisto", "Mercadores de Morte" e mais recentemente "O Veneno do Cobra" .
·           A primeira vez que uma edição inteiramente produzida em terras lusas foi publicada em Portugal foi numa edição especial de TEX, que circulou junto ao jornal Correio da Manhã, no domingo 14 de agosto de 2005.


          O Tex já passou pelas mãos de diversos autores e desenhistas desde que foi criado por Giovanni Luigi Bonelli (roteirista) e  Aurelio Gallepini (desenhista). Tais artistas são:  Alarico Gattia / Maurizio Dotti,desenhista; Alberto Giolitti, Aldo Capitanio, Alfonso Carreras Font, Andrea Venturi, Aurelio Galeppini, Bruno Brindisi, Cláudio Villa, Colin Wilson, Erio Nicolò, Fábio Civitelli, Ferdinando Fusco, Francesco Gamba / Pietro Gamba, Gino Raschitelli, Giovanni Ticci / Alfio Ticci, Goran Parlov,Guido Buzzelli, Guido Zamperoni, Guglielmo Lettèri, Ivo Milazzo, Jesus Blasco, Joe Kubert, Jordi Bernet, José Ortiz Moya, Lino Jeva, Magnus (Roberto Raviola), Mario Uggeri, Miguel Angel Repetto, Raffaele Carlo Marcello, Raffaele Cormio, Rafaelle della Monica, Renato Acosta Sbrissa, Renzo Caleggari / Stefano Biglia / Luigi Copello, Sergio Zaniboni, Vicenzo Monti, Victor de la Fuente e Virgilio Muzzi.


CINEMA

Tex e o Senhor dos Abismos
 (1985): é um filme italiano inspirado no fumetti Tex, do gênero faroeste, protagonizado pelo famoso ator Giuliano Gemma. A história do filme é baseada no famoso personagem de quadrinhos italiano criado em 1948, por Gian Luigi Bonelli. Os personagens principais são Tex, Kit Carson e Jack Tigre. A aventura que mais tarde virou o único filme de Tex já gravado para o cinema também aborda um tema de ficção. Na Caverna do Vale dos Gigantes está o homem que extrai as minúsculas pedrinhas verdes que em contato com a pele humana matam, enrijecem e petrificam na hora o corpo de quem as toca.


sábado, 23 de fevereiro de 2013

#19. TINTIM



As Aventuras de Tintim, no original em francêsLes aventures de Tintin, é o título de uma série de histórias em quadrinhos criada pelo autor belga Georges Prosper Remi, mais conhecido como Hergé, em 1929.
O herói das séries é o personagem Tintim, um jovem repórter e viajante belga. Ele é auxiliado em suas aventuras desde o início por seu fiel cão Milu ou Milou, em francês. Os dois apareceram pela primeira vez em 10 de janeiro de 1929, no Le Petit Vingtième, um suplemento do jornal Le Vingtième Siècle destinado ao público infantil. Mais tarde, o elenco foi expandido com a adição do Capitão Haddock, entre outros personagens.


Esta série de sucesso era publicada em semanários e, ao término de cada história, os quadrinhos eram reunidos em livros, 23 no total até 2008. Ela ganhou uma revista própria, a Le Journal de Tintin, de grande tiragem e foi adaptada para versões animadas, para o teatro e também para o cinema. As séries são uma das histórias em quadrinhos europeias mais populares do século XX, sendo traduzidas para mais de 50 línguas e tendo mais de 200 milhões de cópias vendidas.

 As séries de histórias em quadrinhos são há muito admiradas por seus desenhos claros e expressivos, com o estilo ligne claire, típico de Hergé. O autor emprega enredos bem elaborados de gêneros variados: aventuras swashbuckler com elementos de fantasia, mistérioespionagem, e ficção científica. As histórias nas séries de Tintim caracterizam-se tradicionalmente pelo humor em cenas de ação, o que equivale em álbuns posteriores à sofisticada sátira e comentários de cunho político-culturais.


NOS QUADRINHOS
Tintim é um repórter e Hergé usa tal artifício para apresentar o personagem numa série de aventuras ambientadas em períodos contemporâneos àquele em que ele estava trabalhando, mais notavelmente, a insurreição bolchevique na Rússia, a Segunda Guerra Mundial e a alunissagem. Hergé criou também um mundo de Tintim, que conseguiu reduzir a um simples detalhe, porém reconhecível e com representação realista, um efeito que ele foi capaz de alcançar com referência a um meticuloso arquivo de imagens.


            Apesar de as Aventuras de Tintim serem padronizadas - apresentando um mistério, que é, então, logicamente resolvido - Hergé encheu-as com o seu próprio senso de humor, e criou personagens de apoio que, embora sejam previsíveis, apresentaram-se com um certo encanto que permitiu ao leitor se identificar com eles. Esta fórmula de uma confortável e bem–humorada previsibilidade é semelhante a da apresentação do elenco na tira Peanuts ou em Three Stooges. Hergé também teve um grande entendimento do funcionamento dos quadrinhos, especialmente de seu andamento, uma habilidade demonstrada em As Jóias de Castafiore, um trabalho que pretende ser envolvido com a tensão de que nada realmente acontece.



Hergé inicialmente improvisou na criação das aventuras de Tintim, exceto em como o personagem iria escapar de qualquer situação que lhe aparecia. Somente após a conclusão de Os Charutos do Faraó, Hergé foi incentivado a reformular e a planejar suas histórias. O impulso veio de Zhang Chongren, um estudante chinês que, sabendo que ele iria mandar Tintim à China na sua próxima aventura, instou–o a evitar que perpetuassem a visão que os europeus tinham da China no momento. Hergé e Zhang trabalharam juntos na série seguinte, O Lótus Azul, que foi citado pelos críticos como a sua primeira obra-prima.


Outras alterações à mecânica de Hergé ao criar as tiras se deram a partir de influências por parte de acontecimentos externos. A Segunda Guerra Mundial e a invasão da Bélgica pelos exércitos de Hitler determinaram o encerramento do jornal no qual Tintim era publicado. Os trabalhos foram interrompidos em Tintim no País do Ouro Negro, e os já publicados Tintim na América e A Ilha Negra foram proibidos pela censura nazista, que não concordou com sua apresentação da América e da Grã-Bretanha. No entanto, Hergé foi capaz de continuar com As Aventuras Tintim, publicando quatro livros e relançando mais duas aventuras no Le Soir, jornal licenciado pelos alemães.


Após a ocupação da Bélgica pelas tropas alemãs, Hergé foi acusado de ser um colaborador do regime nazista por trabalhar em um jornal sob controle alemão. Sua obra desse período, ao contrário de seus trabalhos anteriores, é politicamente neutra e resultou em histórias clássicas, como O Segredo do UnicornioO Tesouro de Rackham o Terrível e A Estrela Misteriosa, que refletem seu sentimento durante esse período político incerto.
A escassez do papel no período pós-guerra exigiu mudanças no formato dos livros. Hergé geralmente desenvolvia suas histórias de forma que o tamanho fosse adequado à história, mas agora com o papel de dimensão reduzida, os editores Casterman pediram a Hergé para ele considerar a utilização de menores dimensões e adotar um tamanho padronizado e estipulado em 62 páginas. Hergé continuou e aumentou sua equipe (os dez primeiros livros foram feitos por ele e sua esposa), surgindo assim os Studios Hergé.


A adoção de cor permitiu que Hergé expandisse o alcance das suas obras. Seu estúdio permitiu que as imagens preenchessem meia página em alguns casos, mostrando detalhadamente algumas cenas e usando combinações de cores para realçar pontos importantes. Hergé cita este fato, declarando que "Considero minhas histórias como se fossem filmes. Sem narração, sem descrições, a ênfase é dada às imagens". A vida pessoal de Hergé também afetou a série, com Tintim no Tibete sendo fortemente influenciada pelo seu colapso nervoso. Seus pesadelos, descritos como sendo "todos em branco", convertem-se em paisagens repletas de neve na história. O enredo tem Tintim patinando em busca de Tchang Chong-Chen, previamente encontrado em O Lótus Azul, com a peça não possuindo vilões - com apenas uma pequena lição moral, com Hergé se recusando a se referir ao Homem das Neves do Himalaia como "abominável".


A conclusão das aventuras de Tintim ficou incompleta. Hergé morreu em 3 de março de 1983 e deixou a 24ª aventura, Tintim e a Alph-Art, inacabada. O enredo viu Tintim embrenhar-se no mundo da arte moderna, e a história é interrompida no momento em que Tintim está aparentemente prestes a ser assassinado para ser transformado em uma estátua de acrílico a ser vendida.


 Personagens
            Tintim
Tintim é um jovem repórter que viaja o mundo em busca de aventuras enfrentando perigos e desvendando mistérios. Quase todas as aventuras retratam Tintim trabalhando, empenhado em suas investigações jornalísticas.


            Milu
Milu é um cão fox terrier branco, companheiro de Tintim. Eles regularmente salvam um ao outro de situações perigosas. Milu frequentemente "fala" com o leitor por meio de seus pensamentos, e é tido como mais "racional" do que Tintim. Como o Capitão Haddock, Milu tem gosto pelo uísque Loch Lomond, e suas ocasionais "bebedeiras" tendem a colocá-lo em problemas, assim como sua intensa aracnofobia. O nome francês Milou foi atribuído como uma referência indireta a uma namorada da juventude de Hergé, Marie-Louise Van Cutsem, que tinha o apelido de "Milou".


Capitão Archibald Haddock
Capitão Archibald Haddock, é um navegador de origem controversa, é o melhor amigo de Tintim, e foi introduzido em O Caranguejo das Pinças de Ouro. Haddock foi inicialmente descrito como um personagem fraco e alcoólatra, tendo mais tarde, porém, se tornado mais respeitável. Ele evoluiu para se tornar genuinamente heróico e até mesmo da alta sociedade, depois de encontrar um tesouro de seu ancestral Sir Francis Haddock, no episódio O Tesouro de Rackham o Terrível. A natureza rude do capitão e seu sarcasmo representam uma contradição ao freqüente e improvável heroísmo de Tintim; ele sempre rompe com um comentário seco ou satírico quando o repórter parece demasiado idealista. O Capitão Haddock vive em sua luxuosa mansão, chamada Moulinsart.


 Personagens secundários
Os personagens secundários de Hergé já foram mencionados como muito mais desenvolvidos que os principais, cada um imbuído de força de temperamento e personalidade que se comparam aos personagens de Charles Dickens. Hergé usava os personagens secundários para criar um mundo realista onde colocar os protagonistas das aventuras. Para mais realismo e continuidade, os personagens voltariam às séries. Foi conjeturado que a ocupação da Bélgica e as restrições impostas a Hergé forçaram-no a focar-se na caracterização para evitar o surgimento de situações políticas incômodas. A maior parte dos personagens secundários foi desenvolvida nesse período.


·         Dupond e Dupont: São dois detetives desajeitados que, mesmo sem terem parentesco parecem gêmeos, tendo uma única diferença física: a forma de seus bigodes.
·         Trifólio Girassol: É um cientista quase surdo, que entende e age diante de tudo de maneira equivocada como resultado de sua deficiência auditiva. É um personagem menor mas que aparece regularmente nas aventuras de Tintim. Estreou em O Tesouro de Rackham o Terrível.
·         Bianca Castafiore: É uma cantora de ópera, a quem o capitão Haddock absolutamente despreza. Contudo, ela constantemente aparece de súbito onde quer que eles estejam, junto com sua criada Irma e o pianista Igor Wagner.


        Outros personagens secundários são: General Alcazar, um ditador sul-americanoMohammed Ben Kalish Ezab, um emir, e seu filho AbdallahSerafim Lampião, um vendedor de segurosTchang Chong-Chen, um menino chinês; o Doutor J.W. Müller, um maléfico médico alemãoNestor, o mordomoRoberto Rastapopoulos, o responsável pelos crimes; Oliveira da Figueira; o Coronel SponszPiotr SzutAllan Thompson; além do açougue Sanzot, que é um local recorrente na série.


Críticas
Muito foi escrito e falado sobre a ideologia da série. A obra é objeto de polêmica, já se acusou Hergé de propagar em seus álbuns violência, crueldade para com os animais, pontos de vista colonialistas, rascistas e até mesmo fascistas; foi acusado também de suposta misoginia, desprezo pelo sexo feminino, dado que quase não aparecem mulheres na série. Essas acusações se referem apenas a aspectos pontuais, não podendo-se dizer que sejam pontos de vista predominantes da série. Nesse sentido, há uma certa "lenda negra" de Tintim, devido ao fato de Hergé ter publicado algumas histórias em um jornal aprovado por nazistas, o Le Soir, durante a ocupação alemã na Bélgica.


Legado
Tintim e seu criador Hergé inspiraram muitos artistas através da sua obra. A linguagem desenvolvida pelo autor mostrou-se influente e contribuidores do Tintin magazine empregavam seu estilo e, mais recentemente, Jacques Tardi, Yves Chaland, Jason Little, Phil Elliott, Martin Handford, Geoff Darrow e Garen Ewing produziram trabalhos utilizando o estilo do autor.


O legado de Tintim inclui o estabelecimento do mercado de coleções de quadrinhos/cartoons; e o modelo adotado pelas coleções foram também adotadas por criadores e editores na França e Bélgica. O sistema permite uma grande estabilidade financeira, com os criadores recebendo dinheiro enquanto ainda trabalham. O modelo rivaliza com o norte-americano e o inglês do tipo "trabalhe antes e receba depois". Roger Sabin argumenta que este modelo permite "em teoria… uma melhor qualidade".


No mundo da arte, tanto Andy Warhol como Roy Lichtenstein afirmam que Hergé é uma das suas maiores influências. Lichtenstein produziu pinturas baseadas em fragmentos dos quadrinhos de Tintim. Warhol utilizou o estilo ligne claire e produziu uma série de pinturas tendo Hergé como tema. Ele declarou: "Hergé tem influenciado meu trabalho da mesma maneira que Walt Disney. Para mim, Hergé foi mais que um artista dos quadrinhos." 
Em 1° de junho de 2006, o Dalai Lama condecorou com o prêmio Luz da Verdade o personagem, juntamente com o arcebispo sul-africano Desmond Tutu. O prêmio foi em reconhecimento ao trabalho de Hergé no livro Tintim no Tibete.


Álbuns originais de Hergé
1.   Tintin au pays des Soviets (Tintim no País dos Sovietes) - 1930
2.   Tintin au Congo (Tintim no Congo) - 1931
3.   Tintin en Amérique (Tintim na América) - 1932
4.   Les cigares du pharaon (Os Charutos do Faraó) - 1934
5.   Le lotus bleu (O Lótus Azul) - 1936
6.   L'oreille cassée (O Ídolo Roubado/A Orelha Quebrada) - 1937
7.   L'île noire (A Ilha Negra) - 1938
8.   Le sceptre d'Ottokar (O Cetro de Ottokar) -1939
9.   Le crabe aux pinces d'or (O Caranguejo das Pinças de Ouro) - 1941
10. L'étoile mysterieuse (A Estrela Misteriosa) - 1942
11. Le secret de la Licorne (O Segredo do Licorne ou O Segredo do Unicórnio) - 1943
12. Le trésor de Rackham le Rouge (O Tesouro de Rackham o Terrível) - 1944
13. Les sept boules de cristal (As Sete Bolas de Cristal) - 1948
14. Le temple du soleil (O Templo do Sol) - 1949
15. Tintin au pays de l'or noir (Tintim no País do Ouro Negro) - 1950
16. Objectif Lune (Rumo à Lua) - 1953
17. On a marché sur la Lune (Explorando a Lua) - 1954
18. L'affaire Tournesol (O Caso Girassol) - 1956
19. Coke en stock (Perdidos no Mar/Carvão no Porão) - 1958
20. Tintin au Tibet (Tintim no Tibete) - 1960
21. Les bijoux de la Castafiore (As Jóias da Castafiore) - 1963
22. Vol 714 pour Sydney (Voo 714 para Sydney) - 1968
23. Tintin et les picaros (Tintim e os Pícaros) - 1976
24. Tintin et l'Alph-Art (Tintim e a Alfa-Arte) - 1983 (incompleto, reeditado em 2008)


TELEVISÃO E CINEMA

Televisão

Abertura do desenho:

Após uma primeira tentativa em semi-animação não colorida, feita por Jeah Nohain, surgiram:
·         Les aventures de Tintin, d'après Hergé, de 1961, série da Belvision dirigida por Ray Goossens;
·         As Aventuras de Tintim, de 1991, série da Nelvana dirigida por Stéphane Bernasconi, que passa no Brasil até os dias de hoje no Canal da TV Cutura.



Cinema
Existem alguns produzidos nas décadas de 1960 e 1970, mas não tiveram expressividade e nunca nem foram lançados em outros países, tendo ficado somente na França e Bélgica. Steven Spielberg comprou uma opção sobre os direitos autorais de Tintim pouco antes da morte de Hergé, em 1983. Entretanto, naquele momento era incerta uma adaptação de Tintim para o cinema, já que Hergé recusara-se a assinar qualquer contrato.
Em novembro de 2002, a Dreamworks comprou os direitos cinematográficos de toda a série. Em 15 de maio de 2007, Steven Spielberg e Peter Jackson oficializaram a realização de uma trilogia adaptada das histórias, a ser realizada em computação gráfica e captura de movimento. O diretor do terceiro filme ainda não foi anunciado. De acordo com a revista Variety, a equipe de Jackson já produziu um piloto de vinte minutos como demonstração.


Em Janeiro de 2012 no Brasil o filme foi lançado com o Título de As Aventuras de Tintim: O Segredo do Unicórnio ou simplesmente As Aventuras de Tintim, dependendo de seu sucesso pode vir acompanhado de outros 2 filmes.
Tintim e o Segredo do Licorne (2012): O aventureiro Tintim compra para o amigo Haddock um modelo de um galeão antigo, que, por coincidência  era a réplica do navio de um antepassado do capitão, o cavaleiro de Hadoque. O modelo é roubado e logo depois a casa de Tintim é toda revirada. O que os assaltantes provocaram? Por sua vez, o capitão acha no sotão da casa as memórias do cavaleiro.
Link para Download: http://uploaded.net/file/4ftrimys 

Trailler do filme: